03 mai

 

as unhas no violao e na guitarra

 

Temos 3 universos bem específicos para as técnicas de dedilhado, que é a execução com a unha, dedo ou palheta. Cada violonista irá escolhê-las de acordo com o estilo sonoro, velocidade e timbre que quer valorizar. Hoje, no blog da Michael, iremos falar exclusivamente sobre a técnica com a unha.

 

No geral, a técnica de dedilhado com as unhas é mais utilizada no violão erudito. As unhas permitem uma variação incrível de timbres, além de valorizarem bastante a dinâmica do músico. Mas como funciona isso na prática? Os grandes violinistas conseguem tocar variando as técnicas. A combinação das unhas com a polpa do dedos, por exemplo, permite uma gama sonora variada, proporcionando uma sonoridade mais rica.

 

Mas qual o tamanho ideal das unhas? Primeiro é importante entender que quanto mais unha, mais brilhante e preciso sairá o som e quanto mais carne do dedo, mais arredondado, suave e “velado” será o timbre.

 

Na verdade, elas precisam ter um tamanho médio. Unhas curtas demais atrapalham na hora de tocar, pois o violinista é obrigado a virar demais o pulso para atacar as cordas, trazendo pouca definição e precisão. Em contrapartida, unhas grandes demais deixam a sonoridade muito metalizada, e por aumentar a distância entre o dedo e corda, podem fazer com que o violinista perca um pouco do controle dos movimentos.

 

Para definir o tamanho perfeito é bastante fácil. Faça o seguinte: ponha a mão na frente do rosto, com a palma virada. As unhas precisam crescer um pouco acima do tamanho dos dedos. Este é o padrão utilizado pela maioria dos violonistas, apesar de alguns escolherem um tamanho menor ou até maior, como é o casos dos que tocam flamenco.

 

violão
 

 

Fica outra dica. Tão importante quando o tamanho, é saber cuidar bastante destas “palhetas naturais”.  É fundamental que você as lixe, deixando-as arrendondadas. Isso irá aumentar a precisão, além de não marcar o encordoamento.

 

Então é isso, pessoal. Espero que tenham gostado das dicas!

20 abr

 

violao2

 

 

Olá, pessoal. Hoje no Blog da Michael daremos dicas de como fazer arpejo no violão. Para quem não sabe, esta técnica se dá quando as notas de um determinado acorde são tocadas uma a uma, sucessivamente e individualmente.

 

É importante ressaltar que os arpejos podem acontecer em quaisquer acordes (maiores, menores, com sétima, aumentados e diminutos), podendo ser simples, quando são tocadas apenas as três últimas notas do acorde, ou composto, quando são tocadas todas as notas do acorde.

 

 O 1º passo para aprender esta técnica é ter um bom conhecimento do braço do violão e das notas. Falamos isso porque os acordes possuem suas notas definidas e podem ser trabalhados em várias regiões do braço do violão. Por exemplo, eles podem ser feitos em uma ou mais notas por corda. Você pode fazê-los também soando com timbre diferente, usando notas mais agudas ou graves. É possível também executá-los com sequência de notas invertidas dos acordes.

 

Por isso, é hora de trabalhar a memória! É fundamental aprender sobre as casas do violão. Faça diariamente, este exercício: passe os dedos sobre cada nota da escala, sem tocar, mentalizando, uma a uma, as notas do instrumento. Com o tempo você reconhecerá cada uma delas, só olhando para o violão sem precisar tocar.

 

Depois estude a escala cromática, identificando os bemóis e sustenidos. Por último, treine bastante o uso da palheta, principalmente, na dinâmica de tocar as cordas para cima ou para baixo. Ao fazer isso lembre-se de movimentar os dedos e não punho. Além disso, não deixe-a muito presa para você executar com naturalidade e dinâmica.

 

 

Então é isso, estando afiados nestas dicas, com certeza farão os arpejos com facilidade! Esperam que tenham gostado! Bons estudos!

13 abr

Neste vídeo, Débora Ildêncio, mostra na prática, como perceber e encontrar o tom mais adequado para você cantar. Confira!

02 mar

violaomichael

 

Já falamos que a unha é a palheta natural do violão. Hoje, vamos abordar as diferentes formas de dedilhado ou arpejo no violão!

 

Na música popular, a maioria deles são feitos em compassos simples de dois, três ou quatro tempos. Neles, os baixos se alternam, sendo divididos em dois grupos de dois em cada compasso.

 

Para dedilhar é importante prestar atenção na postura. A sua palma da mão deve ficar paralela as cordas. Muito cuidado para não jogar o pulso para “fora”, causando dor na articulação. É fundamental também manter os dedos próximos às cordas para garantir agilidade em dedilhados mais rápidos.

 

Vale ressaltar que dedilhar próximo à boca do instrumento é diferente de arpejar próximo ao cavalete. No último caso, a palma da mão sobre este componente, por trás do rastilho, facilita na hora de abafar os bordões, criando uma textura sonora peculiar que surge da mistura da linha rítmica e melódica.

 

No geral, os dedilhados podem ser feitos de duas maneiras:

 

Com dois dedos
O polegar nos bordões da 6ª, 5ª e 4ª cordas, de cima para baixo. O indicador e o médio tocam a melodia nas primas, 3ª, 2ª e 1ª cordas, no geral de baixo para cima.

 

Com três dedos
O polegar ou o dedo anular toca os bordões. O indicador toca a 3ª corda, o médio a 2ª e o anular a 1ª. Em algumas situações, o indicador passa para a 4ª corda, o médio para a 3ª e o anular para a 2ª corda.

 

Confira variados tipos de dedilhados e outras grandes dicas neste vídeo da Artista Michael, Débora Ildêncio.

 

 

16 fev

A Michael lançou uma nova linha de Ukuleles, um instrumento de cordas originalmente do Havaí, que hoje é utilizado em diversos estilos musicais e em todas as partes do mundo. São modelos Soprano (MK21 ZB, ZBE e MH), Concert (MK23 MH e ZBE) e Tenor (MK27 ZB). Para comemorar estes lançamentos, nossa Artista Michael, Débora Ildêncio, fez um vídeo mostrando algumas das principais batidas utilizadas no Ukulele. Confira!

 

26 jan

reggaeton

 

O reggaeton é um estilo musical que tem origem na música latina e caribenha. Seu som é uma mistura do reggae em espanhol do Panamá, influenciado pelo hip hop, pela salsa e pela música eletrônica.

 

Neste vídeo, nossa Artista Michael, Débora Ildêncio, irá mostrar com o violão elétrico Michael Electra V919DTC SS como aplicar o ritmo de maneira correta. Ela mostra a importância de ficar atento no abafamento das cordas, tanto com a mão direita quanto com a mão esquerda! Confira!

 

22 dez

Olá, pessoal! Desejamos um Feliz Natal e um Ano Novo repleto de grandes realizações! Obrigado por falarem a língua da música com a Michael em mais ano! Felicidades e boas festas!

natal

15 dez

Olá, pessoal.

 

Na postagem de hoje, o guitarrista Bruno Leles, dá dicas básicas para aprender a improvisar usando a Escala Pentatônica. O músico virtuoso foi convidado pela Michael para fazer esta supervideoaula no centro de distribuição da marca! Confira!

 

24 nov

Adriano  - Live

Olá, pessoal. Nesta terça-feira(24/11), às 14h, Adriano Campagnani, Artista Michael, irá participar de uma live no Facebook da Michael para falar de contrabaixo na música mineira. Além de falar das influências, processos de criação, técnica e aplicação musical, o Artista irá tocar faixas do seu novo disco: Instrumental da Esquinas, que teve contribuição de grandes músicos como, André Campagnani, Claudio Faria,  Augusto Rennó, Amauri Angelo e Léo Pires, além dos magistrais Flavio Venturini, Lo Borges, Toninho Horta, Wilson Sideral e Serginho Carvalho. Não perca!

 

 

03 nov

Neste vídeo abaixo, Vitor Vieira, Artista Michael, mostra a maneira correta de realizar o baqueteamento na bateria. Ele passa exercícios básicos e dá dicas importantes para o baterista executar a técnica corretamente. Confira!

 

F.Gênia