07 Maio

A música nos acompanha a todo momento da vida. Em um estabelecimento, por exemplo, que usa a música para agradar o ambiente onde os seus clientes estão, com toda certeza é um lugar muito mais agradável e acolhedor, não é mesmo?

Se você é músico, certamente já ouviu falar sobre o Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição). É ele quem garante que os criadores das músicas, recebam uma remuneração pelo uso da sua música, ou seja, seu trabalho. Para você que está começando e ainda possuí muitas dúvidas sobre o assunto, resolvemos abordar 3 coisas essenciais sobre o Ecad que você precisa saber antes de tudo.

Quem precisa pagar o Ecad?

A lista de eventos e estabelecimentos obrigados a pagar a taxa de ECAD é extensa, portanto, vale mais a pena explicar quem não precisa pagar.

Eventos particulares em propriedade privada. Se há cobrança de ingresso, o evento é considerado público, desta forma é preciso pagar o Ecad;

Cultos religiosos, mesmo que em locais públicos;

Eventos com propósitos educacionais.

Estabelecimentos abertos ao público e que utilizam música ambiente, como uma loja, academia, restaurante, supermercado, ou qualquer outro tipo de negócio que usa música, indiferentemente se está usando uma rádio, TV, um pendrive e etc, precisa, obrigatoriamente, pagar a taxa ao Ecad.

Registro da música é obrigatório?

Registrar uma música serve como prova da autoria, mas é importante saber, que o registro não é essencial para que a música seja considerada protegida pelo sistema do Ecad. Para atrelar suas músicas ao sistema de proteção de direitos autorais, você precisa de uma associação de música.

Se você quer saber como registrar sua música, volte alguns posts aqui do Blog e confira o texto que fizemos sobre o direito autoral.

Como são feitos os pagamentos aos músicos?

85% do valor arrecadado, são distribuídos aos titulares das músicas, 10% são para o próprio Ecad (para sua administração) e 5% são direcionados a associações. Para que você tenha o direito ao valor, precisa estar filiado a uma associação. É por meio dela que os artistas recebem o pagamento.

Existem muitas dúvidas em relação ao Ecad, você pode tirar todas elas no site http://www.ubc.org.br/ferramentas/faq da UBC (União Brasileira de Compositores). 

Esperamos que tenha gostado, até o próximo texto da semana que vem!

23 abr

A forma de consumir música vem mudando e marketing Digital está presente, fazendo com que as pessoas cresçam por meio dos seus canais digitais, levando aos seus clientes e seguidores, conteúdos de relevância e gerando negócios. No último texto do Blog, começamos a dar algumas dicas sobre o marketing digital na carreira dos músicos e instrumentistas. Hoje vamos continuar esse tópico com mais dicas.

Desenvolva conteúdos criativos

Conteúdos criativos estão em alta nas redes sociais e os que são mais criativos, ganham o coração dos fãns e também das plataformas, que reconhecem rapidamente que aquele conteúdo é de grande valia para o público, por isso, seja ousado, desenvolva conteúdos diferentes e legais dentro do seu ramo profissional.

O Instagram te permite criar diversos tipos de vídeos, seja eles curtos ou mais longos. Por meio do Reels (vídeos de até 30 segundos) você conseguirá criar um material mais dinâmico e intuitivo, já por meio do IGTV, conseguirá desenvolver conteúdos mais extensos (de até 15 minutos).

Outras plataformas estão aparecendo no mercado, como o Tiktok e o Kwai. O Tiktok alcançou em 2019 espantosos 750 milhões de downloads em apenas um ano. Essa plataforma só continua aumentando o seu público diariamente. Por meio desse aplicativo você também conseguirá desenvolver conteúdos que são facilmente viralizados e sem investimentos monetários.

Utilize o Youtube a seu favor

Imagem retirada do Google

Produza mais vídeos para o youtube, mesmo que não tenha condições para desenvolver grandes vídeo clipes ou vídeos profissionais, não deixe de alimentar a plataforma. O Youtube é uma grande rede e vai gerar segurança as pessoas que buscarem pelo seu perfil. Caso ainda não tenha possibilidades de gravar vídeo clipes para suas músicas, peça para gravarem seus melhores shows ou melhores canções em apresentações e eventos e publique-os lá, de forma que o público possa ver seu trabalho.

Distribua sua música on-line

Gravou uma música? Publique-a em plataformas como ReverbNation, Palco Principal, MySpace. CD Baby, OneRPM, RecordUnion. São alguns dos serviços e sites que trabalham com a distribuição de música online e que são muito interessantes para músicos que estão iniciando sua carreira.

Faça o seu próprio site:

Por meio de um site, você poderá apresentar o seu trabalho de forma profissional. Um site forte pode tornar o seu negócio musical profissional e sério. Se você realmente quer se dedicar a uma carreira musical, certifique-se de investir em um site com navegação intuitiva, informações de contato acessíveis e ferramentas de e-commerce que permitem que você venda seus álbuns e produtos pelo seu site. Existem plataformas que permite você criar o seu site de forma gratuita, como o WIX.

Coloque em prática essas dicas e aproveite esse momento de aprendizagem para saber como conquistar o seu público com o uso do marketing digital, que vai elevar ainda mais sua presença digital.

13 abr

Você provavelmente já sabe ou já escutou falar sobre as vantagens em se usar a internet a favor da carreira. O que muitos não sabem ou possuem dificuldade, é em como gerar conteúdos que atraiam os seus fãns e transformem eles em possíveis clientes.

Por meio do marketing de conteúdo é possível desenvolver conteúdos válidos e interessantes para atrair seu público-alvo. O marketing de conteúdo está diretamente associado as redes sociais, elas são fontes inesgotáveis de oportunidades, e os músicos também devem estar presentes nestes canais, realizando interações com seu público e principalmente compartilhando conteúdo.Por isso, separamos algumas dicas para você começar hoje a sua presença no meio digital, aproveitando a tecnologia para alcançar melhores resultados na sua carreira.

Instagram

Não dá para negar que o Instagram é muito potente. As pessoas passam horas dentro desta rede, não só consumindo conteúdos, mas como desenvolvendo. A Rede tem hoje 1 bilhão de usuários ativos mensais e 500 milhões de usuários ativos diários, ou seja, muita gente conectada! Por isso você deve estar presente nela, fazendo o seu conteúdo.

Mas a pergunta que não quer calar, é como fazer esse conteúdo, não é? Então confira algumas dessas ideias para fazer no seu perfil.

  • Mostre sua rotina

Por mais banal que este tópico pareça ser, as pessoas adoram acompanhar as rotinas de outras pessoas. Mostre o seu dia a dia, sua rotina de ensaios e estudos, mostre também o que está estudando no momento e compartilhe ideias.

  • Dê liberdade a eles!

Deixe que seus fãs falem com você. Abra espaço e deixe que eles se sintam à vontade para opinar sobre algo. Use o recurso da caixinha de mensagens do stories e pergunte sobre o que eles acham sobre um álbum novo, uma música que compôs.  Essa forma de interação gera confiança e fará com que eles participem mais.

Faça CTA (Calls to Action)

Não dá para ganhar dinheiro apenas distribuindo conteúdo bom de graça, por isso o Call to Action é tão importante para a conversão desses fãns em clientes. A palavra em inglês, nada mais, significa “uma chamada para ação”. É por meio do “Call to Action” que você incentiva o seu público participar de algo.

Exemplo de como fazer CTA:

Faça um vídeo no YouTube ensinando como tocar uma de suas músicas. Inclua um link onde eles possam comprar essa música. Dê aos fãs a oportunidade de fazerem download de uma partitura em troca do seu endereço de e-mail, para entrar no seu mailing.

Existem diversos recursos dentro dessa grande rede social para você se destacar e alcançar seus objetivos, mas ela não está sozinha, outras redes sociais já estão dominando e batendo de frente com o Instagram. Por isso, no próximo texto do Blog da Michael, vamos falar sobre redes vizinhas e trazer dicas que te dará bons resultados.

19 mar

Grande parte do som de um violão se dá pela capacidade de reverberação do seu tampo. Essa capacidade pode ser influenciada pelo tipo de madeira que o violão possui, por isso perguntamos: você sabe reconhecer um violão com tampo sólido para outro que possui o tampo laminado?  

Essa é uma dúvida frequente nas redes sociais da Michael e se trata de um processo que pode ser realizado por você mesmo para identificação do tipo de construção. Mas, antes, é preciso conhecer as características de ambos para que possa escolher a melhor opção para você.  

O tampo solido, que também é conhecido como maciço, é feito a partir de uma única lamina de madeira e a sua reverberação tende a ser maior, o que permitirá também maior projeção e volume do som. Já o violões que possuem construção laminado, geralmente são feitos com três folhas de madeira prensadas e coladas uma sobre a outra. Essa construção faz com que o tampo ganhe mais resistência e perca parte do seu potencial vibratório.  

Outra diferença entre elas é que as madeiras compensadas são mais econômicas e fáceis de serem trabalhadas, por tanto, os violões com essa construção possuem preços mais baixos. Já a madeira maciça precisa passar por um processo de tratamento para deixá-la adequada. Não se esqueça, é apenas uma única lamina de madeira para conseguir atingir todos os objetivos, seja visualmente ou sonora, por isso os violões maciços costumam ter os preços mais altos. 

Como posso então diferenciar um violão para o outro? A alternativa mais simples é analisar com muita atenção a boca do instrumento. Pegue o violão, olhe se os veios da madeira do tampo seguem rumo até a curva da boca. Se esses veios percorrem até o final, isso quer dizer que o tampo é maciço.  

 Agora se os veios do violão terminaram retilíneos a boca do violão, antes do final do instrumento, isso quer dizer que se trata de um violão feito com madeiras compensadas. Se o modelo do violão for elétrico, você conseguirá fazer essa avaliação removendo o pré-amplificador e fazer o mesmo processo de avaliação.


É preciso reforçar que os violões que possuem construção com madeiras compensadas não são instrumentos de qualidade ruim. Pelo contrário, eles podem ser construídos com combinações de madeiras, como por exemplo, Spruce ou Mahogany, que possuem diversas características a favor de valorizar os timbres, sonoridade com mais brilho e graves mais robustos.  

Antes de comprar um violão, leia bem à descrição do produto e, se ainda tiver dúvida na hora da compra, consulte antes um luthier de sua confiança.  

12 mar

Se você se preocupa com o desempenho de seu violão, é inevitável que saiba escolher o melhor encordoamento para o seu instrumento. Existem muitos fatores que devem ser considerados antes de definir a preferência pelo calibre das cordas, como; o timbre, estilo e o modelo do seu instrumento.  

Diferentemente das cordas de nylon, as cordas de aço produzem um som mais intenso, com timbre vibrante, e geralmente são mais duras ao toque. Desta maneira, o tipo de calibre tem influência direta com a pegada. Os tipos de cordas mais pesadas, machucam mais a mão e tendem a dar um som mais robusto, já as cordas mais leves, trazem mais facilidade para tocar, porém, possuem um som menos encorpado. O que também terá grande influência é o material que essa corda é feita. 

Os tipos de encordoamentos de aço são variados e todos os aspectos devem ser considerados para que a sua escolha seja assertiva. Pensando nisso, nossa #artista Débora Ildêncio preparou esse vídeo para explicar a diferença de bitolas e materiais que são feitos as cordas de aço para você entender melhor. Confira! 

Conheça os modelos de violões de Aço Michael:

https://michael.com.br/site/produtos/152/violao/aco

05 mar

No próximo dia 08, segunda-feira, é comemorado o dia Internacional da Mulher. A Data simboliza não apenas a luta das mulheres contra a desigualdade salarial, mas também contra o machismo e a violência. Separamos algumas das mulheres que com suas histórias de muita dedicação, conquistaram espaço no cenário musical brasileiro.

Chiquinha Gonzaga

Chiquinha Gonzaga, pianista e compositora.

Francisca Edwiges Neves Gonzaga (1847 – 1935) foi educada como uma sinhazinha e preparada para se tornar uma dama da corte, mas, se consagrou como Chiquinha Gonzaga, musicista talentosa que contribuiu para a gênese da música brasileira. Chiquinha Gonzaga enfrentou todos os preconceitos da sociedade patriarcal e escravista para se firmar como pianista, compositora, regente e, por fim, líder de classe em defesa dos direitos autorais. Também contribuiu para consolidar o “chorinho” que hoje é um patrimônio cultural brasileiro.

Badi Assad

Mariângela Assad Simão, (São João da Boa Vista, SP, 1966), aos 15 anos, conquistou o primeiro prêmio como a melhor violonista no Concurso Jovens Instrumentistas, no Rio de Janeiro. Com 17 anos, divide com o violonista Fábio Zanon (1966), o primeiro lugar do Concurso Jovens Instrumentistas, e aos 20 é a única finalista brasileira do Concurso Internacional Villa-Lobos. Badi Assad mescla a técnica do violão erudito às sonoridades mais “sujas” e agressivas da música popular, tudo isso somado aos experimentalismos percussivos feitos com a boca e o corpo – o que lhe rende, nos Estados Unidos, o apelido de “one woman band”. 

Dona Edith do Prato

Edith Oliveira Nogueira, descobriu que podia fazer música raspando a borda de um prato com uma faca, a baiana ficou conhecida cantando samba-de-roda em sua cidade natal. Em 2002, aos 86 anos, lançou seu primeiro álbum, que teve a participação de Caetano Veloso e Maria Bethânia. Dona Edith do Prato não sofreu influência artística, mas foi uma referência para outros artistas como o próprio Caetano, Maria Bethânia e Mariene de Castro.

Rita Lee

Nascida em São Paulo no dia 31 de dezembro de 1947. Rita Lee é considerada a rainha do rock nacional. Ícone até hoje da música nacional e marcou tanto a história do rock (como integrante da banda Os Mutantes), quanto a do pop em nosso país. Em 1972 lançou Hoje é o Primeiro Dia do Resto da Sua Vida. Em seguida lançou Atrás do Porto Tem Uma Cidade (1974) e Fruto Proibido (1975), que vendeu cerca de 700 mil cópias. Rita Lee, além dos inúmeros sucessos que compôs para seus discos, teve músicas gravadas por artistas como Caetano Veloso, Gilberto Gil, João Gilberto, Elis Regina, entre muitos outros cantores.

Elis Regina

Elis Regina de Carvalho Costa nasceu em Porto Alegre (1945-1982). Em 1960 foi contratada pela Rádio Gaúcha. Nesse mesmo ano foi eleita a “Melhor Cantora do Rádio”. Em 1961, com 16 anos, viajou para o Rio de Janeiro onde lançou seu primeiro disco, “Viva a Brotolândia”. Considerada por muitos a melhor cantora brasileira de todos os tempos. Elis recebeu o Prêmio Berimbau de Ouro e o Troféu Roquette Pinto. Foi eleita a melhor cantora do ano. Reconhecida internacionalmente gravou músicas dos principais compositores do país e marcou história no Brasil fazendo críticas ao regime militar.

26 fev

Os direitos autorais são reservados por lei, a todos os autores, tanto pessoas físicas quanto jurídicas de dispor ou usar sua criação da forma que bem pretender, sendo possível conceder a permissão dessa obra a outras pessoas para que usem de modo parcial ou total. No âmbito musical, muitos compositores e musicistas ainda sofrem com as dúvidas em relação a esse tema. Por isso, separamos algumas dicas para que você fique ligado e não saia prejudicado nesta história.

  • 1° Dica: saiba onde registrar a sua música:

A primeira coisa que se deve saber é que há diferença em registros e que são facilmente confundidas. O registro de obras nos órgãos federais não deve ser confundido com o cadastro no ECAD, ou em associações de compositores, como a ABRAMUS, UBC ou SOCINPRO.

Todos eles possuem grande importância, pois, também asseguram que os valores sejam devidamente repassados até a sua conta bancária. Mas, para realmente provar que é o autor de determinada música, o registro deve ser feito nos órgãos federais competente. Busque pelo Escritório de Direitos Autorais da Fundação Biblioteca Nacional (EDA) ou Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

  • 2° Dica: organize-se, não espere para registrar a sua composição

O processo de registro de direito autoral é bem trabalhoso e pode ser demorado, se trata de um processo que envolve várias etapas, organize seus documentos e “provas”, reserve o seu dinheiro para pagar a taxa de cobrança do seu registro de acordo com a qual a sua a obra criativa estiver vinculada. Se tiver dificuldades, busque apoio de uma empresa especializada para acompanhar todas as informações e cuidar das solicitações de documentos.

3° Dica: tome cuidado, podem roubar a sua composição

Quando se compõem uma música, uma das primeiras reações é querer mostrar, divulgar para as pessoas o feito, não é mesmo? Mas tome bastante cuidado, você pode ficar sem o direito da sua obra. Não divulgar, antes do registro é sem dúvidas o melhor caminho para que você garanta todos os seus direitos. Evite enviar o conteúdo escrito por meio de redes sociais.

Com o registro de propriedade em mãos, você passa a ter o documento que comprova que você é o dono da música, assim poderá mostrar a todos com calma e segurança.

4° Dica: Busque por uma editora da sua confiança

Não é obrigatório que você tenha os serviços de uma editora, é possível gerenciar a sua própria obra. Porém, a editora tem o respaldo jurídico para fiscalizar e também para garantir que sua obra não seja usada de forma desautorizada por terceiros.

O trabalho do compositor nem sempre é compreendido ou valorizado. Registrar o seu trabalho é também uma forma de garantir o valor da sua arte.

12 fev

A técnica que atrai cada vez mais os músicos de todo o mundo e toma conta dos canais de dicas no Youtube. É o Fingerstyle! Ele tem crescido consideravelmente nos últimos tempos, mas, se engana muito quem pensa que o Fingerstyle é algo novo.

Antigamente conhecido como Chord Melod e já foi muito tocado no violão clássico (ou erudito), tocar a harmonia e a melodia já é mais do que corriqueiro para muitos musicistas. Mas você sabe o que é? A técnica nada mais é que a junção do acorde + melodia, utilizando os seus dedos ao invés da palheta. Consiste na execução de base e solo em um único instrumento, explorando, além das cordas, os recursos percussivos que o instrumento oferece e adicionando as nuances que o músico desejar.

Para fazer a técnica com maior perfeição é preciso que o músico conheça a estrutura, desenvolvimento e alterações dos acordes por todo o braço do instrumento, isso auxiliará a manipular as coisas na hora de montar arranjos.

Atualmente, as performances dentro do Fingerstyle estão mais ousadas, complexas, e com técnicas inovadoras, além de vários novos artistas que andam dando um show e influenciando cada dia mais as pessoas com as suas formas diferenciadas de tocar Fingerstyle. Um belo exemplo é o jovem garoto, Sungha Jung, que encanta absolutamente todos com sua forma de tocar, muitas vezes utilizando o fingerstyle com palheta e fazendo solos incríveis de violão, muito difíceis de serem executados.

Quer saber melhor como utilizar a técnica Fingertyle com os violões Michael? A nossa #artista Débora Ildêncio tem dicas especiais para você nos vídeos abaixo, confira!

05 fev

O que seria de nós sem os computadores, smartphones e a internet, não é mesmo?! Muitas funções e atividades que exercemos no dia a dia estão diretamente ligadas ao uso de plataformas, aplicativos, redes sociais etc.

O mercado da música não ficou para trás, a produção online no ramo musical cresceu muito nos últimos anos. Desenvolvedores enxergaram a oportunidade de oferecer ferramentas que melhoram o fluxo de trabalho, produção de composições, criação de conteúdo, identificação de público alvo, até mesmo uma forcinha com a falta de criatividade, além de outras funções que simplificam a vida de quem trabalha com a música.

O texto de hoje é para apresentar algumas dessas ferramentas que tornam a vida dos músicos um pouco mais prática. Prepare a sua aba de favoritos e anote todas as dicas:

Mapeia.com.br

Para aqueles que possuem dificuldade em precificar o valor gasto do serviço a ser realizado, o site mapeia.com vai te ajudar. O mínimo que deve ser considerado ao cobrar para realizar um show, são os custos com transporte, alimentação e hospedagem, correto? Por meio das informações cadastradas, o site te informa o valor total de gastos que terá até o local, considerando todos os custos gerados para esse deslocamento.

https://www.mapeia.com.br/

Spotify for Artists

O aplicativo serve para que os artistas tenham acesso aos dados demográficos das pessoas que andam escutando seu som, além de te contar como e com que frequência eles fazem isso. O aplicativo também permite que você altere a parte visual do seu álbum na plataforma, editando a capa dos singles e colocando músicas como destaque.

https://artists.spotify.com/

Rhyme Zone

É um dicionário de rimas, sonho dos compositores naquele momento de bloqueio criativo. Por meio dele você consegue garimpar palavras, além dos recursos de sinônimos, antônimos e palavras que soam semelhantes.

https://www.rhymezone.com/

HumOn

O Aplicativo é perfeito para desenvolver uma simples ideia melódica de forma rápida. Ele cria uma partitura em torno de uma música cantarolada. A partir de algoritmos, ele gera estilos diferentes, como R & B, Clássico e muito mais.

http://hostinfo.cafe24.com/serviceExpire/servicestop.html

A tecnologia está ai para auxiliar e fazer com que as suas atividades se tornem mais simples na correria do dia a dia, mas, não se esqueça, o estudo ainda é a principal fonte de conhecimento, não deixe de se manter atualizado. 

Se você está interessado em mais conteúdos, não deixe de acompanhar as nossas dicas no canal do Youtube:

https://www.youtube.com/user/michaelinstrumentos

Conheça também as nossas escolas parceiras:

https://michael.com.br/site/escolas.php

29 jan

Quem deseja conhecer e entender música, provavelmente já quis saber como ler uma partitura, afinal, essa é a escrita musical mais completa que existe. É possível aprender a tocar um instrumento musical sem saber ler partitura, porém, ela permitirá que o músico toque qualquer música sem nunca ter ouvido a canção, além de abrir novos olhares e percepções. Com a partitura você será possível ter uma infinidade de opções musicais ao seu dispor.

Por isso, nossa #artista Débora Ildêncio dá dicas fundamentais para que você entenda e consiga ler a partitura com fluidez. Confira!

O Violão Michael Mini Jumbo – VMY340 NA, usado neste vídeo, é construído com madeira Lindem no tampo, laterais e fundo e Walnut Wood na escala e cavalete, madeiras tratadas especialmente para proporcionar um timbre ainda mais definido. Possui equalizador com 3 bandas para uma regulagem mais versátil com ajustes de volume, grave, médios e agudos, além do afinador cromático para maior independência na hora de afinar, saiba mais sobre o modelo em:

https://michael.com.br/site/instrumento/705/viol-o-el-trico-michael-mini-jumbo-vmy340-na-cordas-de-nylon-natural
F.Gênia